Entre a sanidade e um cano de revólver

Leia o conto “Entre a sanidade e um cano de revólver” e tente preservar a sua mente sã:

 

PARTE 1 DE 3

Eu era o melhor de todos. Porra, eu sou o melhor. “Alma Penada Serviços em Geral”. Esse é o nome do meu estebelecimento. Não é tão atrativo, eu sei. Mas dá pro gasto. Assusta os fregueses mais desavisados. As pessoas sabem o que querem quando batem na minha porta. Não chegam até mim por acaso. Nunca fui muito do tipo empreendedor. Talvez até ganhasse mais dinheiro se me empenhasse mais na divulgação do meu negócio, mas prefiro manter a cautela e aguardar clientes de confiança. A grana não é muita, mas dá para viver. Só preciso de uns dois contratos por mês e consigo pagar minhas contas tranquilamente, com álcool, cigarros e prostitutas inclusos. Não preciso de mais nada. Para um assassino profissional, está mais do que bom, não é verdade?

Os pensamentos voltaram à tarefa. Lá estava eu, mofando em um tubo de ventilação fétido e imundo pelas últimas três ou quatro horas, esperando minha vítima adentrar seu escritório enquanto limpava meu revólver e ajeitava o silenciador. Aquele brinquedinho já havia mudado os rumos da história algumas vezes, apesar que ninguém soubesse. Dali saíram as balas marcadas com o nome de políticos, empresários e pessoas poderosas de toda sorte. Afinal, eu tenho um capricho na hora de aceitar serviços: só assino contratos após receber uma bala com o nome do alvo gravado e uma rosa. A polícia nunca vai me pegar mesmo, então eu gosto de dar uma pista a eles sobre cada um dos meus trabalhos. Sempre que eles encontram um projétil nomeado, sabem quem fez o serviço. É estranho, eu sei. Na semana passada, meu psicólogo disse que eu tinha traços de psicopatia e queria me examinar melhor para saber qual era o grau do meu distúrbio. Só não meti uma bala no meio da testa dele ali mesmo porque, metódico como ele era, deveria ter cada passo do meu caso registrado. Fiz parecer que foi um trágico acidente. Apareceu na TV e tudo mais.

O velho chegou no escritório acompanhado de outro executivo. Eu estava observando tudo pelo tubo de ventilação que, apesar de não ter sido limpo desde a última era do gelo, era mais confortável que a maioria dos buracos em que eu tinha de me enfiar para concluir minhas missões. Nunca fui muito do tipo Rambo, de entrar pela porta da frente atirando em qualquer coisa que se movesse. Meu estilo sempre foi mais tático e paciente. Se eu fosse mesmo psicopata, faria uma carnificina a cada contrato, mas eu tentava ao máximo me infiltrar e passar despercebido para matar apenas meu alvo. Ou será que é o contrário? Que seja, não sou um psicopata. Só preciso de dinheiro para financiar minhas idas aos bordéis da região e a única coisa que eu sei fazer bem é matar. Não é como se eu fizesse por prazer, como esses caras que aparecem no jornal. Eu tento ser o mais limpo possível também, e sigo um código de conduta próprio. Um psicopata não faria isso. Bem, não importa. Não é um psicólogo mequetrefe que pode me dizer o que eu sou ou não sou.

O executivo foi embora. Parece que estavam discutindo negócios muito importantes. Quantos carros esse cara deve ter na garagem? Uns três, no mínimo. Ele é presidente de uma das maiores empresas de eletrônicos do país. Será que esses empresários não se contentam nunca? Com a grana dele, a essa hora eu estaria em Ibiza com umas dez prostitutas em um iate, e não enfiado numa salinha fazendo negócios. Muito menos no tubo de ventilação dessa salinha. Meus serviços não são baratos, eu assumo, mas o que estou sendo pago para dar cabo desse velho não deve pagar nem o terno dele. Às vezes eu me sinto fazendo algo de bom para a sociedade. Claro que não aceito qualquer trabalho. Como eu já disse, sigo um código de conduta.

Ainda não saí desse maldito cubículo porque o homem chamou a secretária para a saleta. No entanto, ela demorou tanto tempo que eu poderia muito bem ter acabado com o serviço e já estaria a três quarteirões daqui, andando com as mãos nos bolsos como se nada tivesse acontecido. Quando eu concluo uma tarefa, espero a rosa do meu cliente murchar e a deixo em algum local combinado para que ele saiba que está feito. É claro que às vezes eles ficam sabendo antes, seja pela televisão ou por outros meios, mas gosto de manter o ritual.

A secretária chegou na sala do meu alvo. Ruiva, cabelos lisos presos por um coque, óculos, terninho cinza, saia combinando, unhas vermelhas, salto alto e uma silhueta inacreditável. Fiquei boquiaberto com o que vi acontecer diante dos meus olhos. O homem abriu uma gaveta em sua mesinha, tomou um comprimido e começou a passar a mão na massiva bunda de sua funcionária. Não sabia se eu ria ou se chorava quando aquele velho decrépito começou a arrancar o sutiã dela.

Pelo que eu havia lido no meu relatório, ele tinha uns 85 anos. Por que ele não levou essa ruiva para dar a volta ao mundo queimando dinheiro? Agora ele estava ali, tendo a última transa de sua vida na minha frente só por que outro empresário nojento me pagou para tirá-lo do caminho. Eu nunca tinha tido que esperar meu alvo trepar para poder acabar com ele. Muita coisa curiosa já havia acontecido nos 17 anos em que eu mato gente por dinheiro, mas nada desse nível de bizarrice. O episódio que chegou mais perto foi quando eu surpreendi um deputado em sua casa e o coitado levou um susto tão grande que morreu do coração antes que eu pudesse falar qualquer coisa. Não sabia se atirava por pura formalidade ou se deixava o cara lá e ia embora. Mas pensei que, como ele morreu por minha culpa, eu não estaria sendo desonesto com meu cliente se cobrasse o valor normal e devolvesse a bala a ele.

Por sorte, o presidente da empresa de fato tinha 85 anos, o que quer dizer que a secretária acabou com ele em uns cinco minutos e voltou para seu posto. Pensei que seria engraçado surpreendê-lo enquanto ele ainda estava de cuecas. A essa altura, ninguém questiona mais minha insanidade, então não preciso me preocupar com a minha imagem.

 

PARTE 2 DE 3

Depois de tudo o que contei, certamente não há mais dúvidas sobre o quão insano eu sou, então deixemos essa questão de lado para ir ao que interessa. Eu ia atacar meu alvo enquanto ele estava de cuecas. O velho definitivamente não receberia ninguém enquanto estava guardando aquele pinto mole, então era de fato o momento mais estrategicamente seguro para atacar. Eu já tinha me certificado de que não havia câmeras na sala dele, mas esses acontecimentos recentes me confirmaram isso. Ninguém transa com a secretária sabendo estar sendo filmado. Tudo estava pronto. Finalmente, depois de horas a fio naquele maldito tubo de ventilação, eu poderia esticar minhas canelas, finalizar aquele serviço e ir embora. Abri cuidadosamente a tampa de alumínio da saída de ar e me espremi para adentrar o recinto. O alvo quase teve um enfarto quando me viu, mascarado e segurando uma pistola silenciada. Ainda estava fechando o zíper quando tentou gritar pelos seus seguranças. Eu rapidamente o imobilizei e coloquei a mão sobre sua boca. É claro que eu estava preparado para isso. Amordacei o homem e o deixei sentado em sua cadeira, ainda sem camisa, com aqueles pêlos brancos repulsivos enrolados no peito suado.

A mão firme segurava o revólver com estabilidade. O dedo se mantinha flexionado, pressionando levemente o gatilho. Eu estava, como sempre, no controle da situação.

— Você tem algum último desejo? — Gostava de dizer algumas baboseiras enquanto a vítima se cagava de medo. Só naquele momento alguém se dava ao trabalho de ouvir o que eu tinha a falar. Ninguém nunca está aberto ao outro. A menos que se possa beneficiar disso, as pessoas não estão interessadas em conhecer verdadeiramente seus semelhantes. Quando estou com meu calibre 38 silenciado apontado para a testa da minha vítima, me sinto importante, pois tudo o que eu disser, por mais idiota que seja, será ouvido com atenção. É o único momento em que grandes magnatas se curvam perante um simples anônimo como eu.

— Fui enviado até aqui por um senhor muito distinto que aparentemente precisava muito ardentemente que você estivesse fora do caminho dele. É claro que isso não é nada pessoal, são apenas negócios. Se isso te consola, sempre compro seus produtos — o velho se contorcia e ensaiava gestos como que pedindo para que eu tirasse a mordaça de sua boca.

Nessas horas eu vejo como sou dos bons. Foda-se a modéstia. Para falar a verdade, sou o melhor de todos. O que mais explicaria o fato de que eu estava no último andar do prédio da sede administrativa de uma das maiores empresas do continente, sem permissão e sem despertar nenhuma suspeita, prestes a matar o homem do ano? Já estava vendo a cobertura televisiva intensa naquele lugar e a polícia encontrando um bode expiatório qualquer. Em casos dessa magnitude, eles nunca admitem não ter pistas sobre o culpado e acabam apontando o dedo para qualquer pessoa que tenha o mínimo de suspeita. A televisão crucifica o sujeito e manipula a opinião pública para acreditar que ele realmente é o assassino. Geralmente meus clientes se saem duplamente satisfeitos, porque acabam matando dois coelhos com uma cajadada só. Quer dizer, matam um dos coelhos e colocam o outro atrás das grades.

Certa vez, meu próprio cliente se descuidou e deixou transparecer que poderia ser um suspeito em potencial. Eu sabia que ele não aguentaria nem cinco minutos em um interrogatório e cuspiria tudo o que sabe sobre mim. Por sorte, ele era podre de rico e planejou fugir do país em seu jatinho particular. Foi um terrível acidente aéreo, chocou todo mundo. Confesso que aquela foi a única vez que cheguei a deixar rastros, mas consegui encobrí-los perfeitamente e a culpa não era minha. Depois desse triste episódio, passei a orientar meus clientes para que eles não fossem pegos. Ora essa, além de fazer todo o trabalho sujo, ainda tenho de ser o consultor.

O velho estava finalmente aparentando tranquilidade, então resolvi tirar a mordaça da sua boca e ter um diálogo decente. Já nem sabia mais o que falar e estava ficando entediado. Dizem que alguns leões gostam de brincar com a presa antes de devorá-la.

— Vou tirar esse negócio e te deixar falar. Mas preste atenção. Você grita, você morre. Se tentar alguma gracinha, idem — ele assentiu e eu retirei o que obstruía sua boca. Ele não disse nada durante um bom tempo, então resolvi intervir.

— Tem algum último desejo, homem?

— Sim. Vá para o inferno — o alvo cuspiu no chão e me olhou com raiva. Senti firmeza. Gostei dele. Geralmente os tipos como esse morrem de maneiras patéticas, imploram por suas vidas, se dizem arrependidos, clamam por piedade. Esse é dos meus. Encara as coisas de frente.

— Parece que você tem dignidade mesmo seminu, hein.

— Quanto estão lhe pagando? Posso oferecer o dobro, o triplo. Garanto sua segurança pelo resto de sua vida. Quer estar em um iate em Ibiza com dez prostitutas à sua volta? Eu posso realizar isso. Providencio hoje mesmo — parece até que ele leu meus pensamentos.

— É tentador, mas você sabe quantos já não me ofereceram algo parecido? — Nada tão assustadoramente semelhante ao que eu estava pensando, mas acho que ele entendeu o que eu quis dizer. — Peço desculpas, mas vou ter que recusar. Eu tenho um pouco de ética, por mais que você possa duvidar.

— Não duvido. Aliás, acredito tanto em você que vou lhe dar uma segunda chance.

— Do que diabos você está falando? — será que ele estava delirando à beira da morte? É bem mais comum do que se imagina.

— Gostei de você. Geralmente os tipos como o seu se rendem ao ouvir falar de alguns milhões na conta bancária, uma identidade falsa e passe livre para o exterior. Você é dos meus. Encara as coisas de frente — aquilo estava começando a ficar esquisito. Juro que não sabia quem estava delirando quando, bem diante dos meus olhos, aquele velho de cuecas se libertou das amarras e se metamorfoseou em uma espécie de demônio com olhos vermelhos, asas negras e uma foice nas mãos. Caralho, de onde veio essa foice? Cadê aquela cueca borrada?

 

PARTE 3 DE 3

Isso era bem incomum para mim. Na verdade, era inédito. Quem estava com as cuecas borradas era eu, e não meu alvo. Em 17 anos nessa carreira de assassino profissional é normal encontrar algumas coisas curiosas, estranhas e até mesmo um pouco assustadoras. Mas nunca vi nada desse nível. O velho babão que eu tinha rendido e estava prestes a matar com um tiro bem colocado no coração agora estava na minha frente na forma de um monstro repugnante. A pele cinzenta parecia não refletir a luz, como se ele não estivesse de fato no mesmo universo que eu. Os olhos queimavam como duas velas acesas, as asas enormes quase não cabiam na sala, assim como seus chifres retorcidos. Nas mãos, com garras pontiagudas, a fera segurava uma foice de aspecto macabro.

— Mas o que significa isso? — apontei o revólver em sua direção, sem muita esperança de assustá-lo mais do que ele estava assustando a mim.

— Pelo menos vocês acertaram na foice — não entendi o que ele quis dizer e fiquei olhando com uma cara confusa durante alguns longos segundos.

— Quer saber? Vou acabar logo com isso — puxei o gatilho e o acertei em cheio. Não sei se esperava que aquilo realmente funcionasse, mas se eu tivesse algum tipo de expectativa, ela havia acabado de se esvair por completo quando vi a bala ricochetear no peito da besta e atingir a parede oposta. A criatura dirigiu-se calmamente até o local onde o projétil havia aterrissado e o pegou em suas mãos. Observou-o por algum tempo.

— Está gravado com o nome daquele velho. Quando encontrá-lo, eu vou entregar seu presente a ele, pode ficar tranquilo.

— Quem é você? — não sei até que ponto a pergunta era válida, mas aparentemente ela surtiu efeito.

— Sou a Morte, ora bolas.

— Puta que pariu. Você fala português e usa gírias inadequadas? — sim, para um assassino frio e calculista eu fui um tanto quanto imprudente nessa.

— Cale a boca. Eu disse que lhe darei uma segunda chance porque gostei de você. Me identifiquei, na verdade. Somos um pouco parecidos, eu e você. Sabemos separar os negócios de outros assuntos. E por falar nisso, eu estou aqui cumprindo um trabalho para o qual fui contratado. Se você não quiser ser o meu próximo alvo, eu tenho um serviço para você — esse era definitivamente o meu cliente mais importante, e olha que eu já tinha emprestado minhas habilidades aos homens mais poderosos da Terra. — E não se esqueça de que eu posso caçar você onde estiver. Siga as instruções que estão sobre aquela mesa e quem sabe você não poderá ser útil para mim daqui em diante? Estou precisando me aposentar. Não posso negar que você tem capacidade para assumir meu posto.

Ótimo, parece que eu havia acabado de arranjar emprego para a eternidade. Literalmente. Olhei em volta pelo gabinete do presidente da empresa e havia alguns papéis grampeados e cuidadosamente arrumados sobre sua escrivaninha. Voltei a mirar a fera, mas não a encontrei. A Morte havia sumido por completo e eu estava sozinho naquela sala com instruções para invadir um apartamento e matar um homem. Curiosamente não havia nenhuma foto do sujeito, quanto menos seu nome era informado. No entanto, o documento dizia que o alvo estaria em sua sala sem sombra de dúvida e seria a única pessoa no apartamento. Eu deveria eliminá-lo e poderia ir embora. Caso as instruções não fossem seguidas à risca, o monstro viria me buscar para algo não muito agradável. Aparentemente eu não tinha escolha.

Apartamentos não costumavam ser áreas difíceis de se infiltrar. Pelo menos não para quem já entrou e saiu de uma base militar deixando para trás o corpo de um general estendido em seus aposentos, que só foi descoberto horas depois. Entrar em empresas é mais complicado, mas às vezes eu prefiro assim porque é muito mais fácil ficar a sós com a vítima. Nunca encontrei resistência para adentrar mansões também. A única coisa que nunca me atrevi a fazer foi matar alguém em público sem ser notado, mas ainda é um fetiche que eu tenho. Não me olhe assim. Se você chegou até aqui, deve estar acostumado com a minha mente.

Existem alguns truques muito simples para entrar em um condomínio sem levantar suspeitas. Por exemplo, se passar por entregador de pizza. Antigamente esse funcionava melhor, mas hoje em dia já é um pouco manjado. Eu costumo ligar para uma garota de programa que conheço e fazê-la se passar por minha cliente. Ter uma mulher com você tira toda e qualquer chance de que você seja um criminoso na cabeça dos porteiros. Ainda mais se ela tiver um belo par de seios fartos e uma voz rouca e sensual.

A donzela ajeitou os cabelos enquanto falava no interfone. Ela simulou não estar ouvindo nada e pediu que o funcionário viesse até o portão. O homem veio, enrubescido pela vista proporcionada pela bela dama. Até um cego podia ver que seu olhar não conseguia parar de descer pelo pescoço dela. A moça contou algo sobre estar indo visitar o apartamento que está à venda. A mentira foi tão bem feita que o porteiro se animou com a possibilidade de ela morar lá e apressou-se em permitir sua entrada. Eu seria o corretor, então consegui entrar também. Deixei que ela falasse o tempo todo para que o homem não se lembrasse de meu rosto ou minha voz, e me mantive em pontos cegos que as câmeras não cobriam bem, usando uma boina providencial que me deixava com cara de velho, mas impedia meu reconhecimento facial por parte do sistema de segurança. Sim, esse plano como um todo é ridiculamente simplório, mas sempre funciona.

Uma vez dentro do condomínio, a tarefa era simples. Dispensei a ajuda da garota e me dirigi à torre do meu alvo, sempre me certificando de me manter inatingível em relação às câmeras de vigilância. Eu nunca tentava ocultar o cadáver ou disfarçar o crime de alguma forma, mas precisava ser o mais discreto possível para que o corpo só fosse descoberto quando eu já estava em segurança. Além do mais, não seria bom para os negócios se os clientes não tivessem certeza de que era eu quem tinha cumprido o serviço. No entanto, eu não podia ser pego então tinha de agir de modo a não levantar suspeitas até ir embora e não ser identificado. Mesmo que descobrissem quem era o assassino, não teriam como chegar até mim sem saber quem era o homem misterioso nas gravações.

Entrei no elevador e apertei o botão. O andar era alto, o que não é bom. O tempo de fuga é maior e eu tinha de me assegurar que ninguém descobriria nada até que eu estivesse a muitos quarteirões dali. Não seria nada bom ficar preso dentro do condomínio porque algum vizinho estava em choque e o síndico ordenara que ninguém poderia entrar ou sair. Com tudo isso em mente, saí da caixa metálica sobre o poço e me dirigi à porta de meu alvo. O documento me assegurava de que ele seria o único no apartamento. Eu não ousaria duvidar de alguém à prova de balas e com asas daquele tamanho. Bati na porta. Eis que, quando penso que nada mais poderia me assustar naquele dia, me sinto novamente arrebatado no momento em que a porta se abre.

— Estava te esperando — a voz era familiar. O rosto era familiar. O homem que apontava um revólver silenciado na minha direção tinha exatamente as feições do meu psicólogo. Aquele mesmo que havia tido a audácia de insinuar que eu poderia ser um psicopata e, como punição, eu dei cabo dele. Ou melhor, pensei que tinha dado, porque lá estava ele na minha frente.

— Como você pode estar aqui? — retribuí a gentileza e apontei minha pistola para ele, sem esconder o olhar de surpresa e confusão.

— Você pensou mesmo que eu morreria  naquele acidente?

— Por onde você andou?

— Eu lhe agradeço. Você me deu um belo presente. Graças à sua farsa, pude conseguir uma identidade nova e planejar a sua morte cuidadosamente.

— Aquele bichinho com asas era seu animal de estimação então?

— Eu fiz um pacto. Ele me garantiu que você iria ao meu encontro. Só tive de aguardar. Foi mais fácil do que atrair uma criança para uma doceria.

— E se a criança comesse todos os seus chocolates?

— Isso não vai acontecer.

Essa não era a primeira vez que eu tinha de bater de frente com uma vítima. Só era a vez mais estranha. Aquele cara era um homem morto, mas não era um fantasma. Ele era bem real. Real demais para o meu gosto. Senti sua movimentação súbita e meu reflexo foi uma esquiva que mais pareceu um espasmo. O tiro que ele desferiu atingiu minha clavícula, e eu balancei para trás tentando me equilibrar. Meu oponente não recebeu bem o recuo da arma e também deu alguns passos para trás. Aquelas frações de segundos foram importantes para que eu firmasse meus pés. Ele apontou novamente, mas dessa vez foi muito mais previsível. Antes que seu dedo puxasse o gatilho, eu já havia saído da mira de sua arma. Ele hesitou e eu me arremessei contra seu corpo. Ambos caímos no chão e os revólveres foram soltos. Antes que ele pudesse tentar se levantar, eu já estava sobre seu corpo desferindo golpes certeiros em suas têmporas. Me levantei rapidamente e, antes que ele se recuperasse, peguei minha pistola e o coloquei na mira.

— Como pode? — ele murmurou, ainda desorientado pelos socos.

— A Morte disse que gostou de mim e me deu uma segunda chance. Ela lhe garantiu que eu viria ao seu encontro, não que você acabaria comigo. Talvez ela não goste de ser perturbada por causa de uma simples vingança. Me matar era tarefa sua.

— Seu maldito.

— A criança se lambuzou com os chocolates.

A neblina densa não me permitia enxergar nem o outro lado da rua. Eu estava sentado no balcão de um boteco fedorento enquanto tomava uma dose do uísque mais forte que aquela espelunca podia servir. Minha garganta ardia enquanto eu ainda avaliava qual das prostitutas eu deveria escolher. Na televisão, o âncora do jornal matraqueava baboseiras sobre o presidente de uma empresa gigante que morrera com um tiro misterioso no peito. Tomei o último gole e escolhi a morena. Sempre preferi as morenas mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *